Lembrança Eterna de uma Mente sem Brilho


Infected Mushroom – MAM, Rio de Janeiro
18-dezembro-2004, 3:48
Filed under: Música

O outro Mano me contou que tinha show de eletrônica no MAM. Nunca fui de gostar muito de música totalmente eletrônica. Sempre achei que faltava algo. Principalmente a banda no palco. Sou muito de ver os artistas ali, correndo de um lado pro outro suando a camisa. Mas aceitei o convite e fui lá pro MAM.

Terminei a monografia no dia anterior. Precisava comemorar. Tinha uma tenda improvisada lá no MAM, museu de arte moderna do Rio. O cenário é sempre perfeito – já fui no TIM Festival lá e realmente não tem como não se perder na vista e na arquitetura fantástica do lugar.

A-lu-ci-nan-te. Realmente algo fora do normal. Que experiência única. Que maneira perfeita de conhecer o psy-trance e me envolver completamente com a música. OS conhecia pela maravilhosa ‘None of this is real’ e tive a oportunidade de entrar no mundo deles por completo agora. Que show, que calor, que cansaço. Valeu cada centavo que depositei nessa aventura.

O que me impressionou de fato foi ver que a presença de palco dos dois djs é deveras importante para o desenvolvimento do show e que eles, de fato, fazem um trabalho excepcional no palco. Qualquer um vendo os dois no palco se empolga com facilidade e entra no clima e na psicoledia musical que eles criam.

Trajando minha já famosa blusa do Lula Lelé eu fiz sucesso com os doidões de plantão. Junte isso ao fato do Lula Lelé ser de material plástico e aí já viu, né – geral pirou com a estampa. Hilário, divertido e alucinante. Infected Mushroom é incrível.

(modificado do original, encontrado no inutilizado Ikhaat)



Surrealismo persistente
3-dezembro-2004, 4:03
Filed under: Diatribes

 

Entro no ônibus, um 415 do Centro pra minha casa, e assim que entro reparo num específico detalhe: tem um cara cantando e batucando músicas de axé sem parar muuuuito alto. Ninguém, obviamente, diz nada, mas o cara está empolgado pra cacete berrando as músicas uma após a outra. E o pior: ele era afinado pra caralho, então conseguia chegar em TODAS as notas agudas de Ivetes Sangalos da vida… muito, muito surreal.

Chegando em casa, depois da musiqueta ambiente no 415, vejo um motoqueiro despencando no chão numa bifurcação que tem aqui em frente à praça. Descubro depois que foi um babaca num Gol azul claro, placa LNR2263, que fechou o coitado do motoqueiro que vinha tranquilamente, NA PISTA e não entre elas pela direita. Acontece que aqui no Corte você tem duas pistas indo sentido Ipanema e UMA PISTA, a direita, sentido Rebouças… o filho da puta dirigindo o Gol estava na pista da esquerda e, na última hora, resolveu que ia virar, ligou a seta e foi em cima do pobre do Tadeu. Resultado: o cara vai ter mó prejú na moto, que ficou com a roda empenada e algumas peças de borracha parcialmente destruídas e eu fui lá levá-lo ao pronto-socorro do Miguel Couto com vários arranhões e um corte profundo no braço esquerdo. Sorte dele que ele não quebrou nada, porque a queda foi feia. Ainda bem que ele é do IME, e conhece um delegado que joga bola com ele… assim vão atrás desse babaca do Gol e vão exigir que ele pague todo o conserto da moto.

Ganhei um chaveiro do Tadeu. Uma bala de fuzil do exército. Achei do caralho.