Lembrança Eterna de uma Mente sem Brilho


Dúvidas
22-dezembro-2005, 11:54
Filed under: Hospitalidades

Fui ver o super-hiper-duper-oncologista. Conversei bastante com ele. Escutei tudo o que ele disse, pensei em tudo que ele me contou, ponderei os pontos positivos e negativos apresentados.

Vejam só… todo o processo de quimio é destinado a matar as célulcas cancerígenas ainda (se existirem) presentes no meu corpo. É veneno injetado na minha corrente sanguínea para eliminar – ao máximo – a possibilidade de metastase em algum lugar. Aí vem a decisão. Existem três tipos de tratamento a se pensar.

O primeiro é a cirurgia no retroperitônio, glândulas minúscula localizadas no cólon e para onde o câncer de testículo irá se ocorrer metastase. Sem sombra de dúvida. As glândulas são tão pequenas que não dá para ver na tomografia nem no pet scan.

Problemas da operação: impotência e ejaculação retrógrada. Mas o que é isso Dr. Freitas? Meus caros leitores, ejaculação retrógrada é quando, durante a operação, a ligação entre o testículo pode ficar comprometida, e toda ejaculação a partir da operação pode seguir para a bexiga ao invés da uretra. Significa que pouquíssimos espermatozóides seguirão seu caminho natural. Infertilidade assegurada. Então é a possibilidade de impotência ou infertilidade. No thanks.

O segundo é quimio. Quimio, bem, é quimio. Veneno no sangue. Possibilidade de redução quase total da fabricação de esperma, problemas cardiovasculares e respiratórios, complicações renais e, tãrarã, leucemia. Sim, curando câncer ganha-se outro, pior e devastador.

Mas se consegue a certeza de tratar com a quase total cura. 95% de chance. Melhor do que menos.

Ah, um adendo: meu câncer, de acordo com o nível de beta-HCG, quase seis mil, é considerado intermediário. os 16% já passaram para uns 20-25% de ter de novo. No retroperitônio, com total certeza. Sempre começa lá.

O terceiro é a observação. Controle a base de testes de sangue, tomografias, pet scans. Um exame por mês no primeiro ano, um a cada dois meses no segundo, um a cada três meses no terceiro e um a cada semestre no quarto e quinto. Esse câncer só cria metástase nos primeiros dois a três anos, but you never know.

Reduz a necessidade de fazer a quimio, que, de novo, é veneno no corpo, e, se descoberto algo no retroperitônio, é tão curável quanto tratar agora. É isso que o super-hiper-duper-oncologista me disse ontem. Tenho que acreditar nele, né?

O que faço? Cirurgia is out of the picture… quimio ou tratamento por obsevação?

(updeite importante)

Esse super-hiper-super médico foi o terceiro oncologista que vi. Além dele vi dois diretores do Inca que tiveram quase a mesma opinião, mas não foram tão incisivos quanto ao não-tratamento inicial de quimio. Os outros dois, também excelentes médicos, deixaram a meu critério fazer ou não a quimio, mas também disseram que não seria ‘errado’ ficar em observação…

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: