Lembrança Eterna de uma Mente sem Brilho


A melhor banda desconhecida do mundo (II)
18-abril-2008, 3:43
Filed under: Música

Minha nova paixão é essa coisa aí de cima. Alison Sudol. Frontwoman do A Fine Frenzy.

Seu álbum de estréia, ‘One Cell in the Sea’ é brilhante. Lindo, denso, emotivo, catastroficamente perfeito para esse momento que vivo. A voz da Alison é de uma força e ao mesmo tempo uma sutileza incrível. Sua beleza, que conheci a muito pouco tempo, uma benção para olhos cansados.

Nem sei ao certo como cheguei ao ‘A Fine Frenzy. Simplesmente ele existe aqui no iPod e eu, há poucos dias, resolvi escutar melhor. Sabia que se tratava de uma mulher de Seattle, mas era só. As ligações dela com o meu mundo de rock alternativo / indie só vieram à tona depois.

Em março de 2007 ela participou do South by Southwest (SXSW), maior festival de música independente dos EUA – e consequentemente um projeto de vida meu. O festival é fantástico, e sempre saem de lá artistas do caráleo que ninguém conhece. A Fine Frenzy abriu pro The Stooges na ocasião. Em pouco tempo o ‘One Cell in the Sea’ foi lançado, angariando críticas positivas pelo caminho.

‘Almost Lover’, primeiro single do álbum (e a música que não sai de jeito nenhum da minha cabeça e que tenho no repeat eterno no iTunes) chegou ao 25° lugar da Hot Adult Contemporary Tracks da Billboard. No meio do ano passado ela passou a escurcionar com o Rufus Wainwright (que o Simon da Quizumba tá trazendo pra cá… aguardem!) e esse ano está fazendo uma turnê como headliner… como queria poder trazê-la pra cá.

A graça, a tristeza, a alegria e a melancolia de suas músicas me deixaram mais calmo, sereno, tranquilo. Ando nas nuvens quando escuto as músicas mais alegres, na fossa total nas mais tristes, temeroso nas melancólicas e esperançoso nas bonitinhas. ‘Almost Lover’ é, de longe, a música que mais me define no momento.

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Amo a Alison. Todas as músicas do ‘One Cell in the Sea’ são ótimas, e ela tem uma voz do caramba. A Fine Frenzy também foi assim, comigo… Me pegou despreparada, e agora eu não consigo mais largar. Ouvi pela primeira vez fuçando pelo Youtube, e depois eu fui nos vídeos relacionados e não parava de ouvir as coisas dela. Aliás, ouvi o álbum inteiro pelo Youtube no mesmo dia. A música dela é contagiante, mas ao mesmo tempo é melancólica. É linda. Vale mesmo a pena escutar.

Comentário por Brubs




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: