Lembrança Eterna de uma Mente sem Brilho


Meu bairro
1-maio-2008, 1:28
Filed under: Copacabanalidades

Ir morar sozinho muitas vezes nos leva a mudar de bairro. Com isso, precisamos achar fatos, momentos, instantes e situações onde o nosso novo bairro nos encante e nos protega nesse momento de fragilidade que é dar o passo pra sair de casa. Inicio, então, uma série que visa trazer todas as coisinhas, boas e ruins, que encontro nessa nova e fascinante fase da minha vida.

A série se chama Copabanalidades.

Copa é um bairro, principalmente, barulhento. Não que eu me importe, mas meu apartamento ainda não tem ar nem cortina, então a janela está sempre aberta e semi-coberta por jornais da semana passada pra entrar pelo menos o mínimo de luz. Ainda por cima tenho uma obra perto de casa e dentro de casa. Então prontamente às 8h, no máximo, já estou de pé, esperando ansiosamente o começo do Redação Sportv para que eu possa assisitr as notícias de futebol que todo mundo sabe, mas está louco pra saber de novo.

Fico impressionado como é fácil e rápido andar por Copa. Pelo menos pela parde de Copa que mais ando, que se resume mais entre a Miguel Lemos e a Siqueira Campos. São sempre menos de dez minutos pra qualquer lugar, num ambiente sempre movimentado, garantindo pra esse aqui entretenimento garantido. Velhinhas (sempre elas) conversando calmamente no meio da calçada enquanto um rapaz, tadinho, precisa passar com um carrinho entupido de saco de cimento. Gente sempre com pressa, mas sempre sem nenhuma noção de amor próprio, se jogando entre os ônibus e táxis desgovernados da N. Sra. de Copa.

Estou aprendendo, dia após dia, a gostar mais do meu bairro. Já corri na praia a caminho da academia. Ando demais, e isso me remete a lembranças maravilhosas (próximo post).

Copa é um bairro cheio de gente. E normalmente sou reticente no tocante à ‘povo’. Muita gente sempre é sinal de algo pior que se existissem menos pessoas no fatídico local. Mas Copa é um pouco diferente. Ela aceita, abraça tanta gente, tão diferente, e segue em frente, num barulho eterno e gostoso, me acolhendo. Dizendo que não estou sozinho.

Quando escuto buzinas, me sinto bem.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: