Lembrança Eterna de uma Mente sem Brilho


Steve
26-janeiro-2009, 6:02
Filed under: Diatribes, Perfil

Me peguei assistindo o lançamento do primeiro computador realmente pessoal do mundo – o Macintosh. O ano era 1984, o mês Janeiro, e Steve Jobs declamava frente à três mil pessoas a nova revolução que ele acabara de produzir.

Lembro de ter usado o Macintosh, do mesmo jeitinho que esse foi apresentado, nas minhas aulas de colégio na Nova Zelândia e Inglaterra. Lembro da facilidade de uso, do quanto eram ‘bonitinhos’ e amigáveis. Adorava jogar ‘Oregon Trail’, um joguinho em estilo faroeste sobre a conquista americana do oeste por mineiradores.

De tempos pra cá meu amor pelo Mac ficou um amor distante e melancólico. O Windows tomou conta de tudo que sempre fiz e até agora pouco era tudo o que conhecia há dez anos. Mas amores são amores, e agora me vejo diante de um lindo MacBook, teclando alegremente enquanto me deleito nos prazeres de uma máquina tão linda e perfeita.

Ainda mais agora, que posso guardar parte do disco rígido para usar o nefasto Windows, algo que ainda não fiz mas preciso muito (por causa do mestrado e outros dois ou três programas que me forçam a não me dedicar somente ao OSX). 

Agora que o Steve parece que baterá as botas, fico aguardando o que sobrará da Apple – da sua tenacidade, so seu espírito de inovação e do seu amor pela marca. Foi o Steve que, na sua garagem, construiu uma marca que significa inovação e vanguarda. E temo que sua morte signifique o início da perda de identidade dessa maçã que tanto idolatro.

Anúncios


E o reinado Obama se inicia…
23-janeiro-2009, 3:17
Filed under: Politicalidades

É incrível o que estou conseguindo ver em três dias de governo do Obama.

Fecharão Guantánamo. O lindo presidente americano assinou um papel que transformará, em breve, aquele lugar num ponto turístico como Auschwitz é hoje. Um campo de concentração de barbáries. Um erro catastrófico.

Veremos o fim de uma fase sombria. Tortura está terminantemente proíbida. As prisões secretas, as detenções por meses, anos a fio sem a menor razão, estão banidas. 

Sua nova abordagem ética e transparente de governo é uma benção. Está tentando, em dias, desfazer o que o último atroz governo fez em oito anos. Só posso regojizar no deleite de ver esse homen mudando seu país pra melhor – e com isso carregar o mundo a uma nova era de política.

E o cara ainda é canhoto. Canhotos são sempre os melhores.



Cora, Cora (5)
20-janeiro-2009, 5:18
Filed under: Diatribes

Pra terminar, um manifesto da ‘Courage to Refuse’, lido no blog do Idelba que acho absolutamente sensacional:

“Uma organização de apoio aos que se recusem a combater, “Courage to Refuse”, publicou manifesto em vários jornais, condenando a matança de centenas de civis palestinos e conclamando os convocados a recusar-se a combater em Gaza. “A violência brutal, sem precedentes, contra Gaza é chocante. É falsa a esperança de que tanta brutalidade trará alguma segurança aos israelenses, e é esperança perigosa. Não podemos nos manter passivos, quando centenas de civis são assassinados, na carnificina promovida pelo exército de Israel” – dizia o manifesto.”



Cora, Cora (4)
19-janeiro-2009, 5:08
Filed under: Diatribes

Chegamos à parte que a Cora fala sobre o HolocaustoAí fudeu tudo pra mim. Realmente me emputeci. 

Cora deu uma de Golda Meir, como o Rafa falou no post dele que tanto falo. Mandou dizer que depois da atrocidade incrível e inimaginável dos nazistas Israel tem o direito de fazer o que bem quer. Que só porque seus ancestrais sofreram tanto, quem hoje lidera um estado que não é o dela tem total autonomia para bombardear quem quiser e matar quem for para atingir seus objetivos.

A criação do estado como pedido de desculpas do mundo pôs em cheque a estabilidade daquelas terras simplesmente porque veio dizer para milhões de pessoas ‘pô, aê leske, perdeu preiba’. Ficaram muitos a ver navios, e sob a necessidade do mundo de pedir desculpa pelos erros de uns alemães. Não fez sentido. Eu entendo o pedido de desculpa, como tantos outros foram forçados a entender, mas não faz sentido.

O que mais me deixa chateado nisso tudo é, de uma perspectiva totalmente romântica, Israel está fazendo tudo contra a razão pela qual ele foi criado. A atitude de atacar, matar, prender, afujentar, machucar, pressionar é justamente o que eles nunca deveriam ter feito. É o oposto ao que se espera de um estado que, míseros setenta anos atrás ganhou de lambuja terras ‘sagradas’ para começar seu joguinho de ‘War’.

Aparentemente tem muito reservista que se resusa a lutar agora. Que são tantos que Israel nem mais os prende, com medo de isso gerar uma notícia que possa prejudicar o movimento do estado de atacar os palestinos. É algo realmente fantástico e agradável ver que as novas gerações entendem seu papel e vão tentar mudar um pouco essa história. Tomara que ainda haja tempo hábil para que seja possível alguma mudança realmente significativa na maneira de se pensar naquelas bandas.

Enquanto isso, fico eu aqui, olhando de longe, sentindo muito por tudo que anda acontecendo, querendo que tudos terminem bem o confronto, pois não há errados na briga, e sim na maneira como estão brigando. Os dois querem seus respectivos ideais cumpridos. O que é lindo. Problema é que tais ideais fogem demais um do outro.

Can’t we all just get along?




Cora, Cora (3)
18-janeiro-2009, 6:57
Filed under: Diatribes

O que não passa pela minha cabeça é ver tanta gente defendendo idéias erradas. O estado de Israel existe, é forte, é um puta usurpador e isso é que precisa mudar. Ele não vai embora. Ele ‘sempre’ existirá. O que o estado de Israel mais precisa é deixar de ser mimado pra cacete. Quero ver os EUA tirando regalias pra ameaçar o estado a ceder um pouco mais.

Ao mesmo tempo é preciso ver também o estado palestino mais coeso. Menos briguento e mais unido. Difícil por ene razões, mas se não houvesse uma mentalidade de guerrilha, talvez muito disso pudesse mudar.

Agora vamos voltar ao tema principal: a estupidez de uma jornalista veterana.

Cora deixou claro que não sabe pensar em política. Que não entende nada do que está acontecendo. Quando um estado mais forte e mais preparado resolve bombardear um estado guerrilheiro, pobre e ferrado, matando milhares, machucando tantos outros, isso é algo deplorável.

Fácil falar mal dos EUA que pegam e vilipendiam o Iraque e o Afeganistão sob a bandeira da ordem, e quando Israel mata milhares de inocentes em nome da mesma ordem, estão certíssimos. É de uma miopia que claramente não é da Cora – ela fez isso pra chamar atenção mesmo. Quis usar seu status no jornal pra puxar a polêmica. E por isso acho seu post ainda mais nojento.

Me irrita profundamente ver pessoas cuja educação é garantida, reconhecida e até invejada mandar esse tipo de opinião leviana e absurda. A Cora fez um leitor de final de semana virar um ferrenho opositor da sua presença no jornal. Jornal esse que tanto gosto – e para o qual até o presente momento queria assinar aqui pro meu apartamento, mas nem estou tão mais querendo. Estou com raiva d’O Globo por ter deixado palavras tão patéticas serem impressas em seu parque gráfico.

A bandeira da liberdade de expressão é linda justamente porque permite pessoas de cabeça oca falar e fazer tanta merda em seu nome. E é um deleite para pessoas como eu, que respeito e apóio a liberdade de expressão, para ver que o espaço aberto é o mesmo espaço dado à mim para que eu possa vomitar minhas próprias opiniões.

Uma coisa linda isso.



Cora, Cora (2)
17-janeiro-2009, 11:39
Filed under: Diatribes

O que torna esse bafafá mais interessante pra mim é ver que, na verdade, eu tenho muito pouco a ver com os defensores ferrenhos do povo palestino. Não sou daqueles que chama Israel de maldoso, que chama o Hamas de gente boa que só quer lutar pelo seu povo. Isso tem acontecido muito. Uma idéia de defender um dos lados de maneira completamente errônea e bizarra.

Pra esse povo eu digo: tá todo mundo muito, muito errado nessa merda.

Não defendo a criação do estado de Israel, mas entendo as premissas para o estado tenha sido criado. Portanto, entendo a idéia de defesa dos israelenses. Também entendo a revolta dos palestinos e do povo árabe em geral com a forçação de barra. E, claro, o poder bélico de Israel emputece geral, visto que fica difícil assustar quem ganha de você na porrada.

O Rafa fala algo muito pertinente quando ele descreve a empatica com os terroristas israelenses quando seu povo lutava pelo seu lugar ao Sol, mas erra no resto. 

“…os judeus que explodiam hotéis eram heróis, como Ben Gurion; os palestinos que tentam resistir à ocupação por um país que pode chegar ao nível de genocídio a que Israel chegou são terroristas”

Como disse, ambos são terroristas. Pessoas que imprimem terror para conseguir transparecer seus ideias e sua luta, e buscam mudança através da violência. Isso o Hamas faz. São terroristas. Ponto. Do mesmo jeito que quem bombardeava e explodia hotéis era e sempre será terrorista. Mumbai sabe bem disso.



Cora, Cora
16-janeiro-2009, 4:38
Filed under: Diatribes

A Cora fez merda.

Jornalista de renome nacional, dona de um blog de centenas de milhas de acessos diários, uma coluna no segundo maior jornal do país, não podia ter cometido a atrocidade de um post bizonho como esse. Não estou criticando a maneira como escreve seus textos – isso deixo pras suas outras colunas, muitas vezes sem o menor pé nem cabeça, um bando de palavras jogadas juntas pra justificar a necessidade do editor de ter um número certo de palavras na página. Muitas vezes fico na vontade de ver fotos dos gatos dela tomando todo o espaço da coluna. Metade deles são até bonitinhos.

Demorei alguns dias pra digerir o post em questão. Pensei bem sobre o posicionamento imbecil dela, e francamente só estou escrevendo isso aqui porque o Rafa é um cabra maneiro, e escreveu um bando de coisas pertinentes. Digo pertinentes porque o cabra é petista ferrenho, gosta do Trotski como meu quérido Idelba – que, na minha opinião, tem feito uma cobertura parcial e tão sensacionalista quanto esse post hediondo da Cora, mas vou esperar o final dessa guerrinha pra poder me manifestar com calma.

Voltando ao papo desse post, a Cora foi de uma cabeça incrivelmente maldosa quando escreveu essa coluna. É absurdo não imaginar que ela sabia muito bem a sua posição de jornalista de imenso acesso às pessoas pra jogar essa merda em cima de todo mundo e causar polêmica. Coisa que ela não tem na carreira, então até penso que ela esteja querendo fazer um rebuliço e todos começem a prestar mais atenção nela.

Sempre a vi como aquele mulher que sempre tem um bando de celular top-de-linha e que tem gatos. Muitos gatos. E sabem o que dizem de mulheres solitárias em casa com vários gatos? Nem eu, mas não pode ser nada bom…